quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Na busca pela diferenciação

Recentemente nosso amigo Sergio Brandão esteve em busca de conhecimento, participando de duas aulas com os palestrantes Carlos Hilsdorf e Lair Ribeiro e que aqui, o mesmo cita alguns pontos interessantes para nossos negócios e ações, enquanto buscamos melhores resultados e que sejam aceitos pela empresa e pelo cliente.

O fato é que esses resultados e metas que tanto buscamos, em toda área de nossas vidas, somente está fazendo sentido se compreendido por ambos os lados, seja de nossa parte e a do outro, seja pela empresa e a do cliente, pois somente assim, seremos bem sucedidos.

Mais do que um ato de interesse e ou comercial, os clientes de hoje esperam mais, esperam algo que possam celebrar, com atos de reciprocidade e confiança e que sejam bons para ambos.

E para isso devemos colocar em prática o sonho de melhores resultados. Metas mais audaciosas passam a ser primordiais, uma vez que servirá de estímulo para chegar ao objetivo e isso implicará em fazer mais e melhor. Assim, colocar emoção no que fazemos, conseguiremos atingir nosso público alvo, demonstrando esse ato de reciprocidade e confiança e isso criará um vínculo com o que fazemos e com as pessoas que tratamos.

A vitória é conseqüência de todas as nossas ações, por isso, ser diferente é ser percebido de forma positiva, esse é um grande começo.

O mundo moderno, globalizado do século XXI, necessita de profissionais, pessoas, que estejam procurando de forma contínua aumentar o estoque de conhecimento, se atualizando, acompanhando tendências e colocando em prática esses fatores citados. Assim, você garantirá a qualidade e eficácia naquilo que se propõe a fazer e ter sucesso.

Pense nisso.

Agradeço sua contribuição Sergio Brandão

Um comentário:

  1. Carlos Roberto C. Lima23 de novembro de 2010 01:09

    A busca pelo desenvolvimento profissional e pessoal, requer que estejamos antenados constantemente com as inovações, acontecimentos e tendências, aprimorando nossos conhecimentos, buscando diferenciar nossas ações, neste mercado cada vez mais competitivo.
    Em se tratando de diferenciação, achei muito interessante o que Jack Welch, (CEO da GE) fala em seu livro “PAIXÃO POR VENCER”.
    Defendendo a diferenciação como um valor que realmente faz acontecer, comenta que a diferenciação é uma obrigação para qualquer empresa. Não apenas a diferenciação nos negócios, mas das pessoas também.
    Em relação à diferenciação entre pessoas, “defende um modelo onde seus Gerentes classifiquem seus funcionários em três categorias em termos de desempenho: os 20% superiores, aqueles que são as estrelas da empresa que brilham mais do que as outras, são as melhores; os 70% intermediários, que são gerenciados de maneira diferente, sendo este grupo extremamente valioso para qualquer empresa; a organização não funciona sem as habilidades, a energia e o comprometimento desses indivíduos. Afirma que é o grande desafio e risco no modelo 20-70-10 – manter os 70% do meio engajados e motivados.
    Essa é a razão por que a gestão dos 70% intermediários envolve treinamento, feedback positivo e cuidadosa definição de metas. Os funcionários desse grupo que parecem mais promissores devem ser movimentados entre negócios e funções para enriquecer suas experiências e conhecimentos e para testar suas habilidades de liderança.
    Quanto aos 10% inferiores, aqueles que não tem comprometimento, não há como adoçar a pílula - é preciso extirpá-los. Geralmente as pessoas dos 10% inferiores, conhecem sua situação e partem para outras carreiras bem-sucedidas, em empresas ou em atividades em que realmente se enquadrem e onde possam ser excelentes”.
    Existem muitas críticas contra este modelo de diferenciação de pessoas, algumas até considera ter um fundo de verdade.

    ResponderExcluir